9 de setembro de 2010

Nikons jogadas na areia

Aguardava pacientemente o momento certo em que a lua tocaria o mar, mas em sua mente tola, não teria ninguem ali. Mas havia sim, sentando sozinho, sem camisa, deixando o azul da noite banhar seu corpo e desenhar a mais bela silhueta.
Eles se olharam, se desejaram, e em pouco tempo suas tatuagens se tocavam.
Beijos, mãos, areia, corpos, mar!
Satisfação, entrega, necessidade!
Bicho no cio !
Lingua!

Despertador, que merda!

2 comentários:

Edward Félix disse...

todo mundo quer amor..
todo mundo quer amor de verdade..
quem tem pinto, saco boca bunda, cú buceta quer amor!

July Pucca disse...

Medo de você!